Inflação cai em agosto e acumulado do ano é o menor desde Plano Real

20 Fevereiro, 2018 - Atualizado em 06 setembro, 2017

Recuo é resultado da desaceleração no preço dos alimentos

A inflação brasileira manteve a trajetória de queda em agosto, no acumulado de 12 meses, mesmo com o aumento dos preços dos combustíveis, segundo dados divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O recuo é resultado principalmente da desaceleração no preço dos alimentos, o que traz mais poder de compra ao consumidor e auxilia no processo de recuperação do comércio, setor que já vem apresentando volume de vendas positivo desde o começo do ano.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficou em 0,19%, após variação de 0,24% em julho – a menor variação mensal desde 2010 (0,04%).  Em agosto de 2016, a variação havia sido de 0,44%. 

No ano, o índice ficou em 1,62%, bem abaixo dos 5,42% registrados no mesmo período em 2016. Este resultado também foi o menor desde a implantação do Plano Real, em 1994.  

Em outra base de comparação que aponta a tendência do índice, o acumulado entre setembro de 2016 e agosto de 2017, a inflação desacelerou para 2,46%, inferior aos 2,71% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Esta foi a menor variação (0,25%) acumulada em 12 meses desde fevereiro de 1999 (2,24%).

Em agosto, dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, Alimentação e Bebidas  (-1,07%) e Comunicação (-0,56) apresentaram sinal negativo. Já os grupos Transportes (1,53%) e Habitação (0,57%) tiveram alta.  “Os preços dos alimentos estão menores há quatro meses consecutivos por conta da safra recorde, e as contas de telefone celular ficaram, em média, 1,57% mais baratas, impactando no índice da Comunicação. Apesar da queda de 15,16% nas passagens aéreas, o grupo Transportes- que pesam bastante no IPCA do mês- teve alta de 1,53% nos preços, puxado pelos combustíveis (6,67%). O litro do etanol ficou, em média, 5,71% mais caro. Já a gasolina subiu 7,19% em razão do aumento na alíquota do PIS/COFINS em vigor desde julho e da política de reajustes de preços dos combustíveis”, explica o economista da  Fecomércio SC, Luciano Córdova.

Para o decorrer de 2017, a expectativa é de estabilização da inflação abaixo da meta de 4,5%. Este movimento pode trazer mais reduções da taxa básica de juros nas próximas reuniões do COPOM, permitindo, assim, maior expansão do crédito, outro elemento dinamizador do consumo.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) apresentou variação de -0,03% em agosto, ficando abaixo da taxa de 0,17% de julho. No ano, o acumulado foi de 1,27%, bem abaixo dos 6,09% registrados em igual período do ano passado. Considerando-se os últimos doze meses, o índice desceu para 1,73%, menor do que os 2,08% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2016, o INPC registrou 0,31%. 

Leia também

MERCADO 16 Fevereiro, 2018

Revogado decreto que aumenta impostos de produtos de perfumaria e higiene pessoal

PESQUISA 15 Fevereiro, 2018

Quem é o turista que circulou no Litoral de SC em janeiro?

ECONOMIA 09 Fevereiro, 2018

Comércio catarinense encerra 2017 com maior variação no volume de vendas do país

PESQUISA 09 Fevereiro, 2018

Maior consumo de pirataria em 2017 foi no dia dos pais e das crianças em Santa Catarina