PIB do setor de serviços cresce 0,6% no 3º trimestre

17 dezembro, 2017 - Atualizado em 13 dezembro, 2017

O Produto Interno Bruto (PIB) variou 0,1% no 3º trimestre de 2017 frente ao 2º trimestre, na série com ajuste sazonal. Em relação ao mesmo período de 2016, o crescimento foi de 1,4%. Já no acumulado em quatro trimestres terminados no 3º trimestre de 2017, o PIB registrou queda de 0,2%, frente aos quatro trimestres imediatamente anteriores. No acumulado do ano até o mês de setembro, o PIB cresceu 0,6% em relação a igual período de 2016. Em valores correntes, alcançou R$ 1,641 trilhão no 3º trimestre.

Na variação trimestral, a Indústria teve crescimento de 0,8% e os Serviços em 0,6%, frente à queda de 3% da Agropecuária. Nos Serviços, apresentaram resultado positivo o Comércio (1,6%), as Atividades imobiliárias (0,9%) e as Outras atividades de serviços e a Administração, defesa, saúde e educação públicas e seguridade social, ambos empatados em 0,2%. Atividades financeiras, de seguros e serviços relacionados (0,1%), Transporte, armazenagem e correio (0,0%) e Informação e comunicação (-0,1%) registraram estabilidade.

Entre as atividades industriais houve crescimento de 1,4% nas Indústrias de transformação e variação positiva de 0,2% nas Indústrias extrativas. As demais se mantiveram praticamente estáveis: Eletricidade e gás, água, esgoto, atividades de gestão de resíduos (0,1%) e Construção (0,0%).

Na análise da demanda interna, considerando o resultado acumulado do ano até setembro de 2017, destaca-se a queda de 3,6% da Formação Bruta de Capital Fixo. A Despesa de Consumo das Famílias variou positivamente em 0,4%, enquanto que a Despesa de Consumo do Governo (-0,6%) acumula queda no ano. Analisando-se o setor externo, as Importações de Bens e Serviços apresentaram expansão de 3,9%, enquanto que as Exportações de Bens e Serviços cresceram 4,0%.

De acordo com o economista da Fecomércio SC, Luciano Córdova, a alta foi puxada pelo incremento do consumo, principalmente por conta da liberação dos saques do FGTS, o crescimento real da massa salarial e as exportações, que seguem trajetória de alta. A taxa de investimento, indutor de um crescimento sustentado da economia, ainda mantém-se deprimida.

“Para o Brasil voltar a crescer é necessário um novo modelo de desenvolvimento calcado em maiores estímulos aos investimentos privados e à atividade produtiva. Precisamos elevar a taxa de investimento para obter ganhos de produtividade. Isso será possível a partir da redução dos custos embutidos na produção, por meio de uma reforma tributária que simplifique e desburocratize o imposto do país e diminua o custo do transporte e logística”, afirma. Segundo ele, a Reforma da Previdência também pesa nesta conta ao estimular a estabilização da economia com a redução do endividamento público.

Leia também

31 agosto, 2016

Queda no consumo puxa PIB para baixo no segundo trimestre de 2016

12 setembro, 2013

Cruzamento de informações facilita a utilização de dados de pesquisa, diz jornalista

04 agosto, 2014

Pessimismo do empresário do comércio de SC aumenta com as incertezas na economia brasileira

29 junho, 2012

Governo Federal não dá sinais de renovação da redução do IPI da linha branca