MERCADO

COFEM debate modernização do Tribunal Tributário e fim do voto de desempate nos litígios da área

Atualizado em 15 setembro, 2021

O Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM) debateu a modernização do Tribunal Administrativo Tributário (TAT), o fim do voto de desempate nos litígios da área, necessidade de investimentos em infraestrutura e em energia e a reestruturação do Instituto do Meio Ambiente (IMA), em reunião na segunda-feira (13).

O encontro contou com a participação do deputado estadual Milton Hobus, que apresentou projetos de sua autoria que tratam de assuntos tributários. Entre eles, o projeto de lei complementar que prevê a extinção do voto de desempate em litígios tributários que tramitam no TAT, medida que equipara a legislação estadual à federal, o que tem apoio do setor empresarial. A matéria foi aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça da ALESC, e no momento está na Comissão de Finanças. Ele também defendeu a modernização do tribunal, instância administrativa que julga litígios fiscais relativos à legislação tributária estadual.

O vice-presidente da Fecomércio SC, Emílio Rossmark Schramm, observou que o deputado é sensível às questões tributárias porque além de ser parlamentar também é empresário. “O projeto dele sobre o fim do voto de minerva é fundamental e tem o apoio do COFEM”, afirmou.

Outros assuntos abordados foram a suspensão das metas previstas nos Tratamentos Tributários Diferenciados (TTDs) durante a crise econômica, a inclusão do Simples Nacional no Programa Catarinense de Recuperação Fiscal (Prefis) e a ampliação do período de aquisição do Programa. Além disso, o deputado vai defender junto ao governo catarinense a diminuição ou a isenção de ICMS das tarifas extraordinárias, como é o caso da bandeira vermelha, cobrada na conta de energia elétrica por conta da crise hídrica. “Essas tarifas encarecem mais a vida das pessoas e das empresas. Não tem porque o governo aumentar a sua arrecadação de ICMS. As pessoas estão perdendo poder de compra e tem que haver sensibilidade nesse período”, disse Hobus, lembrando que a arrecadação estadual tem batido recorde.

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, destacou que a FIESC enviou ofício ao governo solicitando a não incidência de ICMS sobre a bandeira vermelha. “Isso penaliza a sociedade e os setores que são altamente dependentes da energia elétrica. Não tem porque o estado onerar ainda mais a tarifa”, disse. No caso do Prefis, ele ressaltou que há muitas empresas impactadas pela pandemia, como os setores de transporte, turismo e eventos, que sofreram muito e até hoje não se recuperaram.

“Manifesto apoio aos projetos do deputado. Santa Catarina passa por um momento em que poderia avaliar o tratamento de alguns incentivos porque já começamos a perder investimentos para outros estados”, afirmou o presidente da FACISC, Sérgio Rodrigues Alves.

A presidente da Fampesc, Rose Dedekind, disse que o Prefis é uma medida relevante, especialmente para as pequenas empresas. Já o presidente da Fetrancesc, Ari Rabaioli, chamou a atenção para a alta no preço dos combustíveis e do gás. “Fizemos um levantamento que mostrou que de janeiro a julho de 2021 só nesses dois produtos o Estado arrecadou R$ cerca de 600 milhões a mais de ICMS em relação ao mesmo período do ano passado.

Outro assunto abordado foi a tributação da cadeia do leite em Santa Catarina, que é maior do que nos estados vizinhos. “É um assunto que temos debatido há anos. Não queremos benefício. Queremos apenas equiparação”, disse o presidente da FAESC, José Zeferino Pedrozo.

A proposta de reestruturação do Instituto do Meio Ambiente de SC (IMA) também entrou na pauta e foi apresentada pelo engenheiro ambiental do órgão, Vinícius Ferretti. Segundo ele, a reestruturação está baseada em quatro pilares: reestruturação organizacional, mecanismos de auditoria ambiental, transformação digital e reestruturação da carreira do servidor. “Hoje um dos problemas é o excesso de burocracia que afeta não só o público externo, mas também os servidores”, disse. O COFEM apoia a reestruturação do IMA.

O diretor-superintendente do Sebrae-SC, Carlos Henrique Ramos Fonseca, reforçou o apoio à reestruturação do IMA, especialmente no que diz respeito à agilidade na concessão de licenças e alvarás.

Leia mais

Fecomércio SC apoia proposta de extinção do voto de desempate no TAT

 

Leia também

ECONOMIA 15 outubro, 2021

Volume de Serviços mantém trajetória de recuperação, mas em ritmo gradativo

ECONOMIA 11 outubro, 2021

Oito em cada dez catarinenses estão cautelosos com compras grandes

ECONOMIA 08 outubro, 2021

Inflação de setembro é a maior desde 1994

ECONOMIA 07 outubro, 2021

Brasil flexibiliza entrada de estrangeiros