ECONOMIA

Comércio foi único setor em SC com saldo negativo de emprego em janeiro

Atualizado em 19 março, 2021

emprego carteira de trabalho
Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas

Santa Catarina criou 32.077 postos formais de trabalho no mês de janeiro, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado na terça-feira (16) pelo Ministério da Economia. O resultado, porém, não foi positivo para todos os setores.

O comércio foi o único Grande Grupamento a apresentar saldo negativo de 1.078 vagas. As classes mais afetadas foram as de supermercados e hipermercados (-2.168), Artigos de Vestuário e Acessórios (-649) e Calçados (-452). Este resultado está colateralmente relacionado à redução dos auxílios emergenciais e à perda de poder aquisitivo dos consumidores devido à inflação.

O volume de vendas no primeiro mês do ano também encolheu, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), do IBGE. Esta queda também pressiona a capacidade de contratação do setor, de maneira que medidas de compensação econômica devem ser articuladas para promover uma retomada do crescimento.

De uma forma geral, a maioria dos setores contratou mais do que demitiu: indústria (19.885), serviços (6.067), agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura (3.670) e construção (3.533).  Após perda de 2.404 vagas em dezembro, o setor de serviços reagiu, principalmente na divisão de Alimentação (763), Atividades Jurídicas, Contabilidade e de Auditoria (639), Serviços de Arquitetura e Engenharia (568) e Transporte Terrestre (327).  Ainda assim, sofre os impactos da pandemia, visto que apresentou o menor crescimento entre todos os grandes grupamentos de atividade.

Leia também

ECONOMIA 14 janeiro, 2022

Inflação provoca descompasso entre volume e receita do comércio catarinense em novembro

ECONOMIA 13 janeiro, 2022

Volume de serviços em novembro tem alta histórica para o mês

MERCADO 13 janeiro, 2022

Reajuste do piso mínimo regional em 2022 será de 10,5% em SC

ECONOMIA 12 janeiro, 2022

IPCA fecha 2021 em 10,06%, maior taxa desde 2015