PESQUISA

O que pensam os catarinenses sobre a pandemia de coronavírus e seus impactos

Atualizado em 04 maio, 2020

Santa Catarina foi um dos primeiros estados do país a adotar medidas restritivas para evitar a propagação do novo coronavírus. Para compreender os reflexos da nova realidade no comportamento do catarinense, a Fecomércio SC realizou sondagem entre os dias 31 de março e 3 de abril, com 365 consumidores de todas as regiões do Estado.

Confira os dados completos

A pandemia mudou drasticamente a rotina de toda a população. A sondagem apurou diversos aspectos para retratar a percepção do catarinense sobre o momento: acesso às informações, grau do medo/apreensão, cumprimento do isolamento social, comportamento de compras, como vê as ações do governo, entre outros.

Mais de 80% dos respondentes afirmaram estar bem informados sobre a doença. O medo de ser infectado chega a 86,3% do público, com 50,7% afirmando ter “um pouco medo” e 35,6% “muito medo”.

Oito a cada dez afirmaram que estão respeitando as medidas de isolamento social impostas pelo Estado, 69,6% saindo apenas para compras essenciais e 10,4% declararam reclusão total – este público também tem a maior média de idade (46,7 anos). Pelo menos 20% afirmaram que não estão cumprindo o isolamento, 14,5% por atuarem em atividades essenciais.

Medidas do Governo

O levantamento também apurou a avaliação do desempenho do Governo do Estado na pandemia: 60,6% consideram positivo (ótimo e bom) e 13,1% negativo (ruim e péssimo).

Mais de 50% aprovam todas as ações decretadas. Questionados sobre ações pontuais, o percentual variou de 36,2% (Suspensão do campeonato estadual) a 13,2% (Suspensão das atividades e os serviços privados não essenciais).

“ Os dados mostram que a população está consciente da gravidade do vírus, está se cuidando e apoia as medidas até aqui tomadas, mas entende que as atividades não essenciais devem funcionar. Isso deixa claro que SC está preparada para conviver com o vírus, conforme o próprio governo já vem apontando. Da mesma forma que fomos um dos primeiros  Estados a adotar medidas de isolamento, podemos ser  também um dos  primeiros a flexibilizar,  criando uma nova rotina que atenda todas as recomendações das autoridades sanitárias e epidemiológicas”, avalia o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.

Compras

Os serviços de entregas e delivery se mostraram uma boa alternativa para os empresários  e consumidores. Metade do público recorreu às compras por aplicativos e outras ferramentas.

A grande procura por itens de prevenção deixou alguns estabelecimentos desabastecidos- 73,4% dos consumidores afirmaram que adquiriram álcool em gel, mas apenas 20,5% conseguiram comprar máscaras.

Impactos nas empresas em SC

Sondagem realizada pela Fecomércio SC com 200 empresários aponta que o cenário pela frente será desafiador em Santa Catarina. Entre os dados, chama atenção os possíveis impactos no mercado de trabalho: 85% dos entrevistados estão prevendo ajustes junto aos empregados, desde a possibilidade de redução no quadro de funcionários (55,9%) até medidas mais brandas, como compensação de horas (47,1%) e concessão de férias individuais (44,1%).

Leia também

ECONOMIA 13 maio, 2022

Volume de serviços em SC interrompe trajetória negativa em março

ECONOMIA 12 maio, 2022

Consumidores em SC adotam alternativas para driblar inflação, aponta Fecomércio SC

ECONOMIA 12 maio, 2022

Inflação desacelera em abril, mas alta dos preços alcança 78,25% dos produtos

ECONOMIA 11 maio, 2022

Estado aprova redução do ICMS para leite e outros produtos alimentícios