ECONOMIA

Volume de vendas do comércio acelera em julho e tem melhor resultado para o mês em SC

Atualizado em 10 setembro, 2021

O comércio catarinense teve a maior variação no volume de vendas para o mês de julho, na comparação com o mês anterior, desde o início da série histórica. Conforme a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada nesta sexta-feira (10) pelo IBGE, o avanço foi de 12,5% em relação a junho- o segundo maior resultado entre as unidades da federação, abaixo apenas de Rondônia (17,5%) e muito superior ao nível nacional (1,2%). Em SC, a alta foi de 5,4% de janeiro a julho e de 6,7% no acumulado de 12 meses. No Brasil, o avanço foi de 6,6% e de 5,9%, respectivamente.

O volume de vendas do comércio varejista ampliado, que inclui as atividades de Veículos, motos, partes e peças e de Material de construção, também cresceu 6,7% na passagem do mês- o maior resultado dentre os Estados.  No acumulado de 2021, cresceu 14,9%, acima do resultado nacional (11,4%); em 12 meses, registrou alta de 11,7%, diante dos 8,4% no país.

“A recuperação acontece de maneira desigual nos segmentos. Em 2021, a retomada das atividades econômicas começou a impulsionar segmentos que tinham encerraram o ano passado em queda. Porém, muitos daqueles que lideram as vendas em 2020 começam a apresentar sinais de redução”, pondera o vice-presidente da Fecomércio SC, Emílio Rossmark Schramm.

Comportamento nos segmentos

  • O segmento de Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo encerrou o mês com redução de 2,2% frente a igual período do ano anterior. Após crescer 14,2% em 2020,  o setor apresenta movimento de queda desde fevereiro, resultando em recuo de 1,9% no ano. Essa mudança pode ser resultante do avanço da imunização, que possibilitou a redução do isolamento social e a maior demanda pelos serviços de alimentação fora do domicílio. Além disso, pesa o aumento dos preços de alimentos e bebidas, que reduz o poder de compra dos consumidores e por consequência o volume de vendas. Já a receita nominal avançou 11,7% no acumulado do ano, reflexo do aumento dos preços dos alimentos.
  • O segmento de Móveis e Eletrodomésticos e Material de Construção também reduziu o volume de vendas frente a julho de 2020 em 7,5% e 3,5%, respectivamente. Apesar da queda, ambos permanecem com ganhos no acumulado do ano  de 1,9% e 18,7%. O resultado negativo para o setor interrompeu movimento positivo registrado desde abril de 2020 na comparação com o mesmo mês do ano anterior.
  • Os setores de Tecidos, Vestuário e Calçados e Veículos, motocicletas, partes e peças  seguem em tendência positiva, com alta de 10,4% e 37,8% no comparativo com julho de 2020. No comparativo anual, os segmentos são destaque na retomada dentre os principais grupos de atividades da pesquisa, com alta de 21,6% e de 37,8%. O segmento de Outros artigos de uso pessoal e doméstico, que engloba lojas de departamentos, óticas, joalherias, artigos esportivos, brinquedos, dentre outros, desponta na liderança em 2021 com alta de 41,3%.
  • Já o setor de Combustíveis e lubrificantes atinge o 5º mês seguido de taxas positivas (11,5%) para o indicador interanual, diante do mesmo mês do ano anterior. Entretanto, o movimento não é suficiente para reverter a queda de 0,9% para o acumulado de 12 meses.
  • O setor de Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos avança pelo 14º mês sucessivo com alta de 10,8% no comparativo com igual período do ano anterior. O setor lidera o crescimento das vendas (23,6%) dentre os agrupamentos de pesquisa, em 12 meses.
  • A atividade de Livros, jornais, revistas e papelaria e  segmento de Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação são os mais afetados pela crise e seguem com redução forte no acumulado do ano de 15,7% e 24,0%, respectivamente. Embora acumulam perdas, os segmentos apresentaram variação positiva diante do julho de 2020 de 40,9% e 12,9%.

Confira a movimentação, panorama e evolução dos segmentos:

Leia também

ECONOMIA 15 outubro, 2021

Volume de Serviços mantém trajetória de recuperação, mas em ritmo gradativo

ECONOMIA 11 outubro, 2021

Oito em cada dez catarinenses estão cautelosos com compras grandes

ECONOMIA 08 outubro, 2021

Inflação de setembro é a maior desde 1994

ECONOMIA 07 outubro, 2021

Brasil flexibiliza entrada de estrangeiros