ECONOMIA

Volume de vendas no comércio mantém tendência de queda em SC

Atualizado em 07 maio, 2021

O volume de venda do comércio em Santa Catarina recuou 0,6% em março na comparação com fevereiro, resultado equivalente ao nível nacional. Esse movimento negativo atinge o quarto mês seguido, totalizando média de queda de 2,5% entre dezembro e março na série com ajuste sazonal. O comércio varejista teve forte acréscimo de 7,6% na variação mensal e 1,7% no acumulado do ano- movimento oposto ao ritmo nacional, que encerrou o primeiro trimestre com queda de 0,6%.

Em relação ao comércio ampliado, que inclui veículos e materiais de construção, a tendência é semelhante, já que houve diminuição de 1,4% na comparação com o mês imediatamente anterior e acréscimo de 25,8% comparado ao mesmo mês do ano anterior.

Dentre os 10 principais grupos de atividades da pesquisa, seis apresentam variação negativa nos últimos 12 meses, destacando-se os ramos de livrarias e papelarias (-33,7%), equipamentos e materiais de escritório, informática e comunicação (-36,5%), combustíveis e lubrificantes (-8,2%) e tecidos, vestuário e calçados (-2,5%).

Recuperação desigual

Reforça a preocupação com os setores específicos a movimentação de saldo de empregos, que encerrou o 1º trimestre do ano com redução de 1.666 vagas de emprego no comércio varejista, sendo que somente o comércio artigos de vestuários e acessório fechou 1565 postos de trabalho.

O comércio em Santa Catarina, em nível geral, reverteu as perdas ocorridas antes e durante a crise inicial, mas a retomada das atividades não é linear e diversos segmentos que tiveram restrições por longos períodos de tempo ainda sofrem efeitos negativos. Por isso, a recuperação permanece desigual e muitos setores acumulam perdas até o presente momento. A tendência mensal segue movimento de baixa, refletindo as incertezas do mercado quanto ao retorno sustentável das atividades econômicas.

Sinais desanimadores

O cenário ainda é de muita incerteza, especialmente com a possível reversão da tendência econômica e a lenta perspectiva da vacinação em larga escala. Os indicadores econômicos relativos ao primeiro trimestre do ano já indicam sinais desanimadores, com níveis de preços acelerado e aumento das taxas de juros de mercado– condições que reduzem o espaço para o consumo ao diminuir o poder de compra das famílias e pressionam negativamente o acesso ao crédito. Reforça essa tendência os resultados da pesquisa realizada pela Fecomércio SC que indica a Intenção de Consumo das Famílias (ICF) catarinenses. O índice encerrou o mês de abril com 51,2 pontos, queda de 52,1% comparada ao mesmo período do ano anterior (106,90), momento em que indicava expectativas positivas das famílias.

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio de Santa Catarina (ICEC-SC) reduziu 21,5% na variação mensal e está em 86,1 pontos, o que representa a segunda maior e mais abrupta variação negativa mensal desde o início da série histórica, em 2010.

Acompanhe a evolução do setor de forma dinâmica:

Leia também

ECONOMIA 13 maio, 2022

Volume de serviços em SC interrompe trajetória negativa em março

ECONOMIA 12 maio, 2022

Consumidores em SC adotam alternativas para driblar inflação, aponta Fecomércio SC

ECONOMIA 12 maio, 2022

Inflação desacelera em abril, mas alta dos preços alcança 78,25% dos produtos

ECONOMIA 11 maio, 2022

Estado aprova redução do ICMS para leite e outros produtos alimentícios