Fecomércio SC celebra novas regras para importações pelo Porto Seco de Dionísio Cerqueira

Atualizado em 11 junho, 2024

As empresas que realizam importações terrestres para Santa Catarina devem agora cumprir a margem mínima obrigatória de 20% de desembaraço pelo Porto Seco de Dionísio Cerqueira, localizado no Extremo-Oeste do estado. Esta medida é aplicável às mercadorias com incentivo fiscal provenientes de qualquer país do Mercosul, exceto Uruguai e Paraguai, que já estão excluídos pela legislação.

As novas regras foram oficializadas pelo Decreto n. 615/2024, publicado na última sexta-feira (07) e estão em vigor desde o domingo (09). A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina (Fecomércio SC) esteve diretamente envolvida nas negociações para a implementação das novas regras. O presidente, Hélio Dagnoni, participou ativamente das reuniões em busca de uma solução para o Porto Seco.

“Estamos há meses em constante tratativa para encontrar uma solução para o Porto Seco. Celebramos o consenso alcançado e acreditamos que as novas regras proporcionarão um ambiente mais eficiente e seguro para as operações de importação no estado, beneficiando tanto as empresas quanto a economia regional”, pontua Hélio.

O Decreto também inclui uma lista de produtos importados que poderão usufruir dos incentivos fiscais usando qualquer fronteira catarinense, entre eles, batatas congeladas importadas da Argentina, salmão, carne bovina fresca e congelada, e farinha de trigo, todos sujeitos à liberação do Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA) e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Os estabelecimentos importadores deverão enviar, a cada quatro meses, à Diretoria de Administração Tributária (DIAT) da Secretaria de Estado da Fazenda, um relatório informando o cálculo do percentual mínimo de mercadorias desembaraçadas por Dionísio Cerqueira. Este monitoramento permanente será realizado pelo Fisco catarinense. O não cumprimento da regra dos 20% resultará na perda do incentivo fiscal concedido pelo Governo do Estado.

A lista de mercadorias exceções e o percentual mínimo obrigatório serão reavaliados anualmente, com a primeira revisão prevista para 8 de março de 2025.

As novas regras foram estabelecidas após estudos e negociações entre o Governo do Estado, Assembleia Legislativa, Prefeitura de Dionísio Cerqueira, Fiesc, Fecomércio, Fetrancesc, Faesc, Facisc, Fampesc, FCDL, ADAC, Abece e a Multilog, concessionária responsável pela aduana.

Leia também

MERCADO 12 julho, 2024

Volume de serviços cresceu 5,4% no acumulado do ano, aponta Pesquisa Mensal de Serviços

INSTITUCIONAL 12 julho, 2024

Presidente da Fecomércio SC participa de comitiva catarinense em Portugal

MERCADO 11 julho, 2024

Vendas do comércio catarinense cresceram em maio, aponta pesquisa

ECONOMIA 10 julho, 2024

Inflação desacelerou em junho na comparação com maio e subiu 0,21%, aponta IPCA