ECONOMIA

Receita Federal altera procedimentos de fiscalização aduaneira

Atualizado em 06 novembro, 2020

A Instrução Normativa n. 1986/2020, publicada nesta quarta-feira (4), modificou os procedimento de fiscalização de combate às fraudes aduaneiras. As novas regras entrarão em vigor em 01 de dezembro e haverá impacto direto no  mercado de importação brasileiro.

Previsões da norma:

– O procedimento de fiscalização poderá ser aberto pelo Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil antes, durante ou após o despacho aduaneiro, inclusive após o desembaraço das mercadorias;

– O Auditor-Fiscal será o responsável pela conclusão do procedimento de fiscalização, que poderá acarretar, dentro outas consequências prevista em lei, a: pena de perdimento mercadorias, aplicação de multa, constituição de crédito, representação de inaptidão da inscrição do CNPJ, representação fiscal para fins penais e para outros órgãos da Administração Pública, revisão da habilitação no SISCOMEX, dentre outros.

– O Auditor-Fiscal poderá também, sempre que houver indícios de infração punível com a pena de perdimento, reter as mercadorias importadas no momento da instauração do  Procedimento de Fiscalização de Combate às Fraudes Aduaneiras.

– A retenção poderá ocorrer antes, durante ou após o despacho aduaneiro, inclusive após o desembaraço das mercadoria e as mercadorias ficarão retidas pelo prazo máximo de 60 dias, contado da ciência do respectivo Termo de Retenção, prorrogável por 60  dias em situações justificadas (antigamente era possível a retenção pelo prazo de 180 dias).

– O importador poderá oferecer garantia para liberação das mercadorias importadas durante o procedimento de fiscalização.

-Essa garantia poderá ser feita da forma de depósito em moeda corrente, fiança bancária e seguro em favor da União e a RFB terá o prazo cinco dias úteis, contados a partir do recebimento do pedido apresentado pelo importador, para decidir e fixar o valor da garantia. Desta decisão, no caso de discordância, cabe manifestação no prazo de 5 dias.

– Não há possibilidade de garantia quando se tratar de mercadorias cuja importação seja proibida ou cuja emissão de licença de importação esteja vedada ou suspensa, e às mercadorias que não tenham sido objeto de declaração de importação.

 

Leia também

ECONOMIA 13 maio, 2022

Volume de serviços em SC interrompe trajetória negativa em março

ECONOMIA 12 maio, 2022

Consumidores em SC adotam alternativas para driblar inflação, aponta Fecomércio SC

ECONOMIA 12 maio, 2022

Inflação desacelera em abril, mas alta dos preços alcança 78,25% dos produtos

ECONOMIA 11 maio, 2022

Estado aprova redução do ICMS para leite e outros produtos alimentícios