ECONOMIA

Volume de Serviços diminui em julho, mas setor tem recuperação gradativa

Atualizado em 15 setembro, 2021

A aceleração dos níveis de preços nos últimos meses está corroendo o poder de compra dos consumidores e pode estar refletindo nas atividades de serviços em Santa Catarina. O volume do setor interrompeu o movimento de alta dos últimos dois meses e recuou 0,2% em julho frente a junho- o resultado é oposto ao nível nacional, que avançou 1,1% na passagem do mês.

Com a alta dos preços, os consumidores adquirem menos serviços, mas podem estar gastando mais.  Essa tendência é mostrada nos dados desde mês, onde o volume de serviços diminuiu, mas as receitas nominais cresceram 0,2%. Reforça esse resultado a aceleração dos IPCA de serviços, que atingiu 3,9% em agosto no acumulado de 12 meses, após estar em 3% em julho.

Apesar da queda no mês, o volume de serviços  no comparativo com o mesmo período do ano anterior cresceu 17,7%, décima primeira taxa positiva consecutiva.  Assim, a recuperação do setor de serviços em Santa Catarina atinge o 4º lugar do país para o acumulado do ano, com alta de 17,1%, aproveitamento acima do nível nacional (10,7%). Já o acumulado de 12 meses apresenta ganhos de 10,6%, o 2º maior do país.

>Volume de vendas do comércio acelera em julho e tem melhor resultado para o mês em SC

Abaixo do nível pré-pandemia 

O comportamento menos dinâmico das atividades de serviços  impede a recuperação de segmentos que foram fortemente afetados durante a pandemia, especialmente os serviços de caráter presencial.  Dentre os cinco agrupamentos de serviços acompanhados pela pesquisa, os serviços prestados às famílias permanecem com perdas de 7,50% no acumulado de 12 meses. Embora apresente taxas positivas nos últimos quatro meses na comparação com o mesmo período do ano anterior, o resultado é insuficiente para retomada dos níveis pré-pandemia. A recuperação desses últimos meses dirige os serviços prestados às famílias a ganhos positivos entre janeiro e julho desde ano (9,3%).

Os demais setores pesquisados já superaram os níveis pré-pandemia e a recuperação está sendo sustentada pelos serviços não presenciais e de transporte.  Lideram a alta no ano de 2021 os Serviços profissionais, administrativos e complementares (25,60%) e Transporte, serviços auxiliares aos transportes e correios (21,30%). Esses também são os setores com maior crescimento em 12 meses, 26,80% e 13,40%, respectivamente. Além disso, também encabeçam a geração de postos de trabalho as atividades de transporte terrestre (+5.085), Limpeza em prédios e em domicílios (+3.804), Serviços combinados de escritório e apoio administrativo (2.200), Serviços de engenharia (+1.868) e Atividades de contabilidade (+1.461) no acumulado de 2021.  .

O segmento de serviços de informação e comunicação teve alta de 10,40% no acumulado de 2021. Esse setor tem reflexos positivos, sobretudo, pela alta dos serviços de tecnologia de informação, reforçada pelo mercado de trabalho formal, que acumula saldo positivo para as atividades de Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem na internet (+1.709), Desenvolvimento e licenciamento de programas de computadores customizáveis  (+906) e não-customizáveis (+714).

 Reflexo no turismo

O nível das atividades turísticas em Santa Catarina apresenta movimento de retomada  ao avançar pelo quarto mês consecutivo, com alta de 9,4% frente ao mês anterior,  segunda maior dentre as unidades da federação e acima do nível nacional (0,5%). Com esse resultado, o nível das atividades turísticas atingiu o maior nível desde o início da pandemia, mas ainda segue abaixo do patamar pré-pandemia.

O movimento de retomada pode ser observado na variação positiva de 10,3% no acumulado do ano. Esse desempenho ainda é insuficiente para reverter às perdas dos meses anteriores, assim, o volume de turismo  acumula queda de 10,1% nos últimos 12 meses em Santa Catarina.

Confira a movimentação do setor, o panorama e a evolução dos segmentos:

Leia também

ECONOMIA 15 outubro, 2021

Volume de Serviços mantém trajetória de recuperação, mas em ritmo gradativo

ECONOMIA 11 outubro, 2021

Oito em cada dez catarinenses estão cautelosos com compras grandes

ECONOMIA 08 outubro, 2021

Inflação de setembro é a maior desde 1994

ECONOMIA 07 outubro, 2021

Brasil flexibiliza entrada de estrangeiros