MERCADO

Itens essenciais lideram compras em lojas físicas em SC

Atualizado em 13 abril, 2021

A crise econômica desencadeada pela pandemia tem provocado desemprego, queda do poder aquisitivo e diminuição da renda dos brasileiros. A Fecomércio SC realizou uma pesquisa para compreender a percepção e o comportamento de compra do catarinense com o agravamento da pandemia a partir de março.

Leia a pesquisa na íntegra

Conforme os dados, mais de metade dos consumidores não estava em isolamento no período: 52,1% deles estão saindo de casa para trabalhar, mas estão mantendo os cuidados, e 5,5% estão vivendo normalmente, sem mudar a rotina. Dos 42,4% que estão em isolamento total ou parcial, 37,2% sai de casa só quando é essencial.

Apesar de SC ter uma posição diferenciada- com menos desemprego e renda mais alta em relação aos outros estados- os consumidores continuam cautelosos nas compras em lojas físicas. “Os dados apontam que os catarinenses estão dando preferência às compras essenciais, seja pelo orçamento mais apertado ou receio de contrair o vírus. Quase quatro em cada dez afirmaram que contraíram Covid-19 ou alguém de sua residência positivou. Estamos atuando desde o início da pandemia para que o comércio mantenha os rígidos protocolos de forma a garantir a saúde dos trabalhadores e clientes, além de ter um ambiente seguro para que os catarinenses voltem a consumir com confiança”, avalia o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.

Comportamento de compras

  • A maioria dos consumidores (95,5%) realizou compras em lojas físicas no período entre 01 a 17 de março.
  • Os principais itens comprados são considerados essenciais: alimentos e bebidas (97,1%) e medicamentos (51,2%).
  • Os dois itens também lideram o ranking de intenção de compras futuras em canais físicos, com 89,8% e 50,7%, respectivamente.
  • Dos não essenciais, destaque para os gastos com serviços de beleza (14,8%) e vestuário (9,9%).
  • Entre aqueles que não realizaram compras físicas no período apurado, a maioria tem média de idade de 50,7 anos. Apesar da doença estar acometendo também faixa etárias mais jovens e da vacinação dos idosos, os consumidores mais velhos ainda têm receio de se expor ao vírus.

Os dados foram levantados com 403 consumidores entre os dias 17 a 20 de março, nas cidades de Blumenau, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Joinville e Lages.

Leia também

ECONOMIA 15 outubro, 2021

Volume de Serviços mantém trajetória de recuperação, mas em ritmo gradativo

ECONOMIA 11 outubro, 2021

Oito em cada dez catarinenses estão cautelosos com compras grandes

ECONOMIA 08 outubro, 2021

Inflação de setembro é a maior desde 1994

ECONOMIA 07 outubro, 2021

Brasil flexibiliza entrada de estrangeiros