70 anos de atuação

Atualizado em 10 agosto, 2018

A frase do filósofo chinês Confúcio: “Se queres conhecer o passado, examina o presente que é o resultado; se queres conhecer o futuro, examina o presente que é a causa”, utilizada na campanha alusiva aos 70 anos da Fecomércio SC, resume com precisão como a entidade constrói sua trajetória.

Ao longo das últimas sete décadas, a Federação esteve conectada às principais demandas econômicas e sociais. Foi assim nos anos 1960 e 1970, no período do chamado “milagre brasileiro”, com a defesa da consolidação do desenvolvimento econômico por meio de ampliação da infraestrutura estadual. Na passagem dos anos 1980 para os 1990, com a ascensão da globalização e da internacionalização dos mercados, a competitividade se intensificou, exigindo qualificação profissional especializada e diferentes formas de gestão empresarial. Sintonizada com as novas necessidades, o sistema Fecomércio SC Sesc Senac  ampliou os cursos nas áreas de informática e línguas para qualificar o catarinense para os novos tempos.

Durante a implementação do Plano Real, a Fecomércio SC atuou para garantir que a abertura econômica atendesse aos interesses de ganhos de competitividade em uma estrutura regulatória que permitisse a concorrência em igualdade de condições.

Nos anos 2000, a Federação buscou melhorar o ambiente de negócios a partir da defesa da desburocratização, eficiência produtiva no setor público, redução da carga tributária e das taxas de juros por meio de uma política fiscal responsável e construção de instituições sólidas.

A entidade completa 70 anos nesta sexta-feira (10) em meio a um momento desafiador: o novo panorama sindical exige amadurecimento e reestruturação da atividade após a Reforma Trabalhista, demandando assim gestão transparente e profissional, com entidades sindicais cada vez mais alinhadas aos anseios da base representada. Somam-se a isso as turbulências no cenário político e econômico que custaram ao país uma crise institucional sem precedentes. Próximo à virada da década, o setor produtivo precisa robustecer a representatividade para, assim, contribuir para a construção de um Brasil mais competitivo, produtivo e, com isso, menos desigual.

Artigo originalmente publicado no Diário Catarinense, edição do dia 10 de agosto de 2018.

Leia também

19 julho, 2021

Reforma da previdência: uma mudança necessária

21 outubro, 2020

De olho na linha de chegada

28 maio, 2020

Impactos da pandemia em SC

13 janeiro, 2020

Missão NY: mergulho na cultura do varejo