ECONOMIA

88,4% dos consumidores catarinenses estão realizando ações para driblar inflação

Atualizado em 10 novembro, 2021

Ida ao supermercado está menos frequente para 29,8% dos consumidores

Quase nove em cada dez consumidores catarinenses (88,4%) se sentem impactados pela alta na inflação e estão realizando ações para contornar a aumento constante dos preços, conforme pesquisa realizada pela Fecomércio SC em outubro.

>Confira a análise do IPCA de outubro

De acordo com dados publicados nesta quarta-feira (10), a taxa da inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA),  não dá sinais de desaceleração e avançou 1,25% em outubro- a maior variação anual no mês desde 2002  (1,31%). Já no acumulado de 12 meses, a taxa acelerou e chegou a 10,67%- maior patamar em 18 anos.

O aumento dos preços atingiu todos os grupos de produtos e serviços. O índice de difusão dos preços, que mostra o porcentual de itens com alta, foi de 66,84%. Esse efeito em cadeia está relacionado a componentes importantes, como energia elétrica e combustível, que seguem em alta e são base para formação de outros preços. A maior demanda, com o avanço da imunização e a reabertura das atividades econômicas, também contribuiu para o avanço nos preços.

Para mitigar os impactos inflacionários no orçamento familiar, 66% dos consumidores estão fazendo pesquisas de preço, 38% reduziram a compra de algum item ou produto, 30,9% estão comendo menos fora de casa, 30,5% passaram a diversificar os estabelecimentos onde fazem as compras para aproveitar promoções e 29,8% tem ido com menos frequência ao mercado.

Confira a variação de preços por grupos de produtos e os impactos no orçamento:

Clica na  para abrir em tela cheia

Leia também

ECONOMIA 03 dezembro, 2021

Economia desacelera e fica estagnada no 3º trimestre

ECONOMIA 02 dezembro, 2021

Confira as tendências e o comportamento de consumo no Natal em SC

ECONOMIA 01 dezembro, 2021

Consumidores devem economizar e pagar dívidas com 13 º em SC

ECONOMIA 30 novembro, 2021

Taxa de desocupação reduz, mas rendimento real deteriora em SC