PESQUISA

Incertezas da pandemia comprometeram temporada de verão em SC

Atualizado em 12 abril, 2021

A temporada de verão em Santa Catarina aconteceu em meio a um clima de incertezas quanto aos regramentos e restrições das atividades turísticas. A dinâmica do setor teve mudanças expressivas em relação aos anos anteriores, conforme aponta a Pesquisa Fecomércio SC de Turismo de Verão no Litoral Catarinense 2021.

Leia a pesquisa na íntegra

Os dados foram apurados de dezembro a fevereiro em São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Florianópolis, Imbituba e Laguna, com 893 turistas e 553 empresários.

“O setor foi um dos mais afetados pelas medidas impostas pela pandemia. Para um estado que tem no turismo de sol e mar um dos seus principais atrativos e um histórico de ocupação hoteleira acima de 80% no verão, o impacto foi significativo, com queda brusca no volume de visitantes. A pesquisa, porém, mostra reflexos positivos da temporada no caixa das empresas, com alta de 28% no faturamento em relação aos demais meses do ano. Estamos atuando para reverter as perdas acumuladas dos diversos setores da cadeia produtiva do turismo”, afirma o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt. Na temporada de inverno, a Serra já havia sentido os efeitos negativos da pandemia.

TURISTAS

A primeira etapa da pesquisa traçou o perfil socioeconômico, procedência, características da viagem (meio de transporte, forma de hospedagem e gastos) e avaliação do destino.  Os efeitos da pandemia  são evidentes:

  • A parcela de turistas acima dos 60 anos caiu de 8,2% no ano passado para 4,9% nesta temporada. Em Laguna, por exemplo, a participação deste público passou de 26,6% para 1,7%.
  • A fatia de estrangeiros reduziu drasticamente de 17,8% para 2,1%, especialmente da Argentina-o principal país emissor-de 14,8% para 0,2%.
  • A distribuição dos turistas por faixas de renda média mensal indicou predomínio das Faixas 3 ( R$ 2.091 a R$ 5.225) e 4 ( R$ 5.226 a R$ 8.360).   Enquanto a faixa 1 (De 0 a R$ 1.045) caiu de 6,3% dos turistas para 2,7%, a faixa 7 (R$ 15.676 ou mais) saltou de 5,4% para 8,4%.

EMPRESÁRIOS

Os dados também mostram a percepção dos empresários sobre os reflexos da temporada nos empreendimentos dos setores de comércio, serviços e turismo.

  • O percentual de empresas que realizaram contratações para atender o movimento da temporada caiu 10,3 p.p.
  • A avaliação do movimento de clientes na temporada foi negativa (51,3%)- a pior da série histórica iniciada em 2013. Apenas 1,2% avaliou o movimento como muito bom, 29,1% bom, 18,4% considerou que a temporada não teve grande impacto no movimento.
  • O ticket médio (R$ 273,30) segue a tendência de crescimento dos anos anteriores, considerando a série deflacionada. A alta nesse ano foi puxada pelos gastos com Agências viagens e operadores turísticos.
  • Apesar das percepções negativas, a variação do faturamento foi de 28% em relação aos demais meses do ano, sinalizando a importância da temporada para a economia do estado. Os dados referentes à temporada anterior foram inconclusivos.

Leia mais

Saiba quais linhas de crédito estão disponíveis para dar fôlego às empresas

Câmara de Turismo da Fecomércio SC reúne trade para debater medidas do setor

Governado anuncia R$ 7,1 milhões para sinalização turística em Santa Catarina

BRDE e Badesc devem injetar R$ 230 milhões nos setores de turismo e eventos em 2021

Leia também

ECONOMIA 24 setembro, 2021

Confira o calendário de obrigações tributárias de outubro/2021

ECONOMIA 23 setembro, 2021

Selic aumenta e juros voltam aos níveis de 2019

ECONOMIA 22 setembro, 2021

Compras de presentes devem se concentrar na semana do Dia das Crianças em SC

PESQUISA 21 setembro, 2021

Resultados da temporada de inverno apontam para retomada do turismo em SC