ECONOMIA

Taxa de desocupação reduz em SC, mas rendimento médio preocupa

Atualizado em 13 dezembro, 2021

A taxa de desocupação em Santa Catarina encerrou o 2º trimestre em 5,8%, queda de 0,4 ponto percentual diante do trimestre imediatamente anterior (6,2%). O estado  mantém a liderança no país com a menor taxa de desemprego. Em nível nacional, o resultado é similar, redução 0,6 ponto porcentual, mas o índice permanece elevado (14,1%).

Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, abril a junho de 2020, quando a taxa do Estado foi estimada em 6,9%, o quadro também foi queda (1,1 pontos percentuais).

No 2º trimestre do ano, o Estado contou com 3,5 milhões de pessoas empregadas e 219 mil desempregados. O número de desempregados caiu em 9 mil pessoas em relação ao 1º trimestre. O movimento de recuperação das atividades tem reflexo na criação dos mais 139 mil novos postos de trabalho no Estado entre janeiro a junho de 2021 e na redução de 38 mil desempregados comparada ao 2º trimestre de 2020.

Sinal da recuperação

A população desalentada – indivíduos que gostariam de trabalhar, mas desistiram de procurar emprego- segue em movimento de redução pelo segundo trimestre sucessivo, somando 34 mil pessoas no Estado, queda de 13,5% frente ao trimestre anterior. “Esse também é um sinal da recuperação da economia e da maior confiança da população em relação ao mercado de trabalho. Reforça essa tendência a alta no índice de Perspectiva Profissional das famílias catarinenses, calculado pela Fecomércio SC, que atingiu em agosto média de crescimento no ano de 3,9%”, avalia o vice-presidente da Fecomércio SC, Emílio Rossmark Schramm.

Santa Catarina também é destaque na taxa composta de subutilização da força de trabalho- que agrega a taxa de desocupação, taxa de subocupação por insuficiência de horas e da força de trabalho potencial-, que ficou em 10,6%. O percentual também é mais baixo do que média no Brasil (28,6%).

O rendimento médio sofreu deterioração em virtude dos efeitos da aceleração dos preços. No 2º semestre do ano, houve redução do rendimento real médio do catarinense em 1,4% na comparação com o trimestre anterior e 1,9% em relação ao 2º semestre de 2020. Em termos absolutos, o valor chegou a R$ 2.841,00 no trimestre de abril a junho. Com a renda menor e o orçamento mais apertado, as famílias catarinenses estão reduzindo o consumo atual. Em agosto, 90% dos entrevistados afirmaram estar comprando menos que antes, de acordo com pesquisa realizada pela entidade.

Leia também

MERCADO 01 julho, 2022

Novas rotas devem impulsionar turismo regional no Oeste de SC

ECONOMIA 30 junho, 2022

Mercado de trabalho mantém saldo positivo em maio, mas apresenta sinais de desaceleração em SC

INSTITUCIONAL 24 junho, 2022

Vice-presidência da Fecomércio SC reúne lideranças do Sistema no Meio-Oeste

ECONOMIA 24 junho, 2022

Derrubada de veto do governador será passo importante pela justiça tributária, aponta Fecomércio SC